top of page
  • Mariana Schuchovski

Reflexões sobre um mundo desigual



Dia da Mulher, Semana da Mulher, Mês da Mulher...

 

Você também está cansada deste tipo de apelo que lota as redes sociais e os estabelecimentos?

 

É claro que a gente adora flores, mimos, descontos, presentes e palavras de carinho.

 

Mas…

 

Segundo a 17a. Edição do "Global Gender Gap Report 2023” do Fórum Econômico Mundial, que analisou 146 países em 2023, no ritmo atual de progresso, serão necessários 131 anos para atingir a paridade total entre homens e mulheres no mundo.

 

Voltamos aos níveis de 2019!!

E apesar de alguns sinais positivos de recuperação, as mulheres continuam a suportar o peso da crise do custo de vida e as dificuldades no mercado de trabalho.

 

A paridade de gênero é reconhecida como fundamental para a estabilidade financeira e o desempenho econômico. 

 

A promoção do emprego das mulheres poderia acrescentar 12 bilhões de dólares ao PIB global e aumentar a produção econômica de alguns países em até 35% (Gender Parity Accelerators).

 

As mulheres sofrem mais com os impactos das mudanças climáticas, sendo que mulheres representam 80% das pessoas forçadas a migrar por mudanças climáticas (ONU - Organização das Nações Unidas)

 

No relatório “Feminist climate justice: A framework for action”, publicado em 2023, a ONU reforça que até 2050, a mudança climática empurrará mais 158 milhões de mulheres e meninas para a pobreza e levará mais 236 milhões de mulheres à fome.

 

Neste relatório, são propostas quatro dimensões para alcançar a justiça climática feminista:

 

1) Reconhecer os direitos, o trabalho e o conhecimento das mulheres

2) Redistribuir os recursos econômicos

3) Representar as vozes das mulheres

4) Reparar as desigualdades e as injustiças históricas 

 

Isso inclui priorizar políticas que atendam às necessidades das mulheres e de outros grupos discriminados, redistribuir recursos para iniciativas e programas de promoção à igualdade de gênero e garantir a representação feminina em todos os níveis de tomada de decisão ambiental.

 

A violência contra mulheres é um dos nossos maiores obstáculos para o desenvolvimento sustentável e representa uma séria violação de direitos humanos.

 

Essa violência, que vai desde o assédio até o feminicídio, é resultado de uma estrutura injusta enraizada no patriarcado ao longo dos séculos.

 

Essa situação tem consequências negativas para todas as pessoas, resultando em sociedades menos pacíficas, economias menos prósperas e um mundo menos justo.

 

Vivemos numa cultura que nos coloca em posição de vulnerabilidade, privando-nos de dignidade e igualdade de direitos.

 

Em 2023, 1.463 feminicídios no país.

 

No primeiro semestre de 2023, foram registrados 34 mil casos de estupro, ou seja, um a cada 8 minutos. A maioria das vítimas de violência sexual (74,5%) são crianças de até 14 anos.

 

No entanto, segundo estimativa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), somente 8,5% dos casos de estupro no país são registrados na polícia.

 

A desigualdade também é um desafio nos ambientes de trabalho.

 

Apesar de existir uma lei para a igualdade salarial entre mulheres e homens, a Lei nº 14.611, ainda existem muitos desafios neste aspecto.

 

No entanto, felizmente, entre 2013 e 2023, houve uma pequena redução na diferença entre salários pagos às mulheres e aos homens, passando de 72 para 78,7 (a paridade de gênero é medida em uma escala de 0 a 100, sendo que quanto mais próximo de 100, maior a equidade entre mulheres e homens.)

 

O estudo também revelou que a participação feminina em cargos de liderança aumentou um pouco, passando de 35,7% em 2013 para 39,1% em 2023.

 

O índice de empregabilidade das mulheres também apresentou evolução nos últimos 10 anos, passando de 62,6 para 66,6, com um crescimento de 6,4%.

 

Fonte: Levantamento “Mulheres no Mercado de Trabalho”, Confederação Nacional da Indústria (CNI) a partir de microdados do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

 

E nada disto é mi mi mi!

 

E é super compreensível sentir desânimo, desesperança…

 

No entanto, é importante reconhecer que há motivos para manter uma perspectiva otimista.

 

Promover a igualdade de gênero e apoiar iniciativas que protejam os direitos das mulheres é essencial para construir um futuro mais equitativo, inclusivo e sustentável.

 

Temos um longo caminho pela frente.

 

Vamos?

Comments


bottom of page